Mercados 07.08.2020

Ibovespa


Em época de divulgação de balanços Ibovespa segue acima dos 100 mil pontos, no entanto demonstra perda de força no movimento de alta. Mesmo após novo estímulo monetário realizado na quarta-feira pelo Banco Central, com corte de 0,25 beps na taxa básica de juros (SELIC), pelo aumento das tensões sino-americanas entre EUA x China, dúvidas quanto à extensão e duração dos estímulos e também pela continuidade dos casos de contaminações e mortes ocasionadas pelo Covid-19, o índice encerrou a semana com queda de 0,18.


Com atenção voltada também ao projeto de limitação de teto de juros para CE e Rotativo do Cartão, Ibovespa encerra o dia no vermelho aos 102.775,55 pontos com queda no dia de 1,30%.


Dólar


O fiscal pesa!

Com incertezas fiscais, tensões geopolíticas entre EUA x China, corte na SELIC, e projeto de limitação de teto de juros para CE e Cartão, Dólar supera os R$ 5,40 e encerra o dia negociado a R$ 5,4133, maior patamar desde 30 de junho.


Os ativos brasileiros tiveram reações previsíveis ao Copom, que não encerrou o ciclo de quedas da Selic em 2%, deixando em aberto a possibilidade de novo corte em setembro (dia 16) e garantindo que o juro permanecerá baixo por longo tempo.

Como imaginado, agradou a bolsa, puxou o dólar e ajustou a curva do DI, que devolveu os prêmios de modo mais expressivo nos contratos curtos e intermediários.


Divulgações


A semana chega ao fim repleta de divulgações relevantes. No Brasil, sai o índice oficial de preços ao consumidor (IPCA), enquanto nos EUA, serão conhecidos os números sobre o desemprego (payroll), ambos referentes a julho. Ainda na agenda norte-americana, têm os estoques no atacado e dados do crédito ao consumidor, ambos em junho.


Fonte: CNN, CNBC, G1, Bloomberg, Infomoney, TC, A bula do mercado, Agência Brasil e BDM


4 visualizações
  • Legis Maxima
  • Instagram
png android.png

©2019 by Legis Maxima

This site was designed with the
.com
website builder. Create your website today.
Start Now